Por que o estresse leva ao ganho de peso?

Por que o estresse leva ao ganho de peso?

Uma nova pesquisa, publicada na revista Cell Metabolism , pode ter descoberto a razão pela qual a exposição crônica ao estresse está tão intimamente ligada à obesidade. A resposta está na relação entre as células de gordura e o momento dos hormônios do estresse.

O fato de que o estresse resulta em ganho de peso pode ser conhecido por muitos, mas novas pesquisas mostram por que e como isso ocorre.

Os pesquisadores liderados por Mary Teruel, professora assistente de química e biologia de sistemas na Escola de Medicina da Universidade de Stanford, na Califórnia, ficaram intrigados com um processo natural – e bem conhecido – pelo qual nosso corpo produz células de gordura.

No corpo humano, as chamadas células precursoras ou progenitoras – isto é, o estado intermediário entre uma célula-tronco indiferenciada e outra totalmente diferenciada – transformam-se em células de gordura, levando ao ganho de peso.

Uma pessoa saudável não transforma mais do que 1% de suas células precursoras em células de gordura, e o faz quando desencadeado por hormônios chamados glicocorticóides.

Os glicocorticóides são hormônios esteróides naturais produzidos pelo corpo humano para aliviar a inflamação . Como Teruel e seus colegas explicam em seu artigo, os níveis de glicocorticóides de uma pessoa aumentam e diminuem naturalmente ao longo do dia, um ciclo regulado por nossos ritmos circadianos.

Mas esses hormônios também podem ser aumentados por estímulos externos, como estresse de curto ou longo prazo . O investigador sênior da nova pesquisa, entretanto, achou essa dinâmica intrigante.

“Por que não estamos nos afogando em gordura toda vez que os níveis de glicocorticóides sobem pela manhã devido aos ritmos circadianos normais ou quando nossos níveis de glicocorticóides aumentam quando fazemos exercícios ou saímos de um edifício quente para o frio?” Teruel se perguntou.

“E por que a perda do ritmo normal de secreção de glicocorticóides – como em condições de estresse crônico, jet lag e distúrbios do sono em trabalhadores em turnos – está tão ligada à obesidade ?”

Essas questões levaram Teruel e seus colegas a embarcar na nova pesquisa.

Como os glicocorticóides afetam as células de gordura?

Para descobrir as respostas, os cientistas realizaram vários experimentos. No primeiro, a equipe banhou células precursoras de gordura em um coquetel de glicocorticóides em “pulsos rítmicos” por um período de 4 dias.

Eles contaram quantas células progenitoras se transformaram em células de gordura e descobriram que um pulso de 48 horas dos hormônios fazia com que a maioria das células se transformasse em células de gordura, enquanto pulsos mais curtos levavam a uma diferenciação celular mínima.

Teruel e seus colegas queriam se aprofundar, então eles focaram nos mecanismos moleculares pelos quais as células progenitoras podem “dizer” quando se transformar em células de gordura. Os cientistas ficaram intrigados com o que faz as células progenitoras ignorarem os pulsos curtos, mas responderem aos mais longos.

Para resolver o mistério, eles usaram imagens ao vivo de uma única célula para rastrear a atividade de uma proteína que é conhecida por se correlacionar com a diferenciação e maturidade de uma célula de gordura: PPAR-gama (PPARG).

Rastrear essa proteína em milhares de células ao longo de vários dias e usar modelos de computador revelou que existem dois tipos de feedback que ajudam as células progenitoras a ignorar o ciclo circadiano normal dos glicocorticóides e filtrar apenas os longos pulsos hormonais.

Saiba mais em: Drenefort

Especificamente, os autores escrevem, “esta filtragem circadiana requer feedback positivo rápido e lento para PPARG”. Com base em suas pesquisas anteriores, os cientistas também descobriram outras proteínas que medeiam um ciclo de feedback de 34 horas que permite ao PPARG continuar a se acumular, levando a mais células de gordura.

“Agora sabemos o código circadiano que controla o switch e identificamos as moléculas-chave que estão envolvidas”, diz Teruel.

Finalmente, os cientistas tiveram que testar se esse código circadiano recém-identificado funcionava da mesma maneira em mamíferos. Assim, ao longo de 21 dias, eles aumentaram os níveis de glicocorticóides em um grupo de ratos e compararam seu peso com o de um grupo de controle de roedores.

O experimento revelou que os ratos estimulados com glicocorticóides ganharam o dobro do peso do grupo de ratos controle. Isso, descobriram os cientistas, não se devia apenas à produção de novas células de gordura, mas também ao crescimento das já existentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *